browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

A Busca pelo Graal

Posted by on 06/02/2024

Para a maioria de nós, o Graal é uma miragem ou o fim de um arco-íris. Podemos ter um vislumbre dele, mas se nos permitirmos ser conduzidos em sua direção, logo descobriremos que ele retrocede; se nos aproximarmos alguns passos, ele desaparece. E assim o Graal se tornou a metáfora por excelência para tudo o que é belo, verdadeiro, mas inatingível.

A busca pelo Graal

Por Richard Smoley – Fonte: New Dawn Magazine

O Graal é geralmente imaginado como uma taça ou cálice, especificamente o cálice usado por Jesus Cristo durante a Última Ceia (ou usado para coletar seu sangue quando este fluía na cruz). A lenda diz que após a morte e ressurreição de Cristo, José de Arimatéia – que lhe emprestou sua tumba por alguns dias – levou esta taça para Glastonbury em Somersetshire, Inglaterra.

Glastonbury é o local de inúmeras lendas e fábulas relacionadas não apenas com José de Arimatéia, mas também com o Rei Arthur e seus cavaleiros da Távola Redonda; na verdade, dizia-se que os ossos de Artur e Guinevere foram desenterrados ali na época medieval. Embora isso possa ser mera fábula, é inquestionavelmente verdade que Glastonbury funcionou como o local de uma abadia do século VII até 1536, quando Henrique VIII ordenou a dissolução de todos os mosteiros da Inglaterra. As ruínas góticas da Abadia de Glastonbury ainda podem ser vistas hoje, e a cidade continua sendo um destino popular para os peregrinos da Nova Era.

O Graal também se confundiu com as lendas de Arthur e seus cavaleiros; esse motivo aparece pela primeira vez em romances corteses escritos no final do século XII e no início do século XIII. O mais antigo é o Perceval de Chrétien de Troyes, uma espécie de Bildungsroman [gênero literário que se concentra no crescimento psicológico e moral do protagonista desde a sua juventude à idade adulta em que a mudança de caráter (a evolução) é importante. O termo vem das palavras alemãs Bildung (“cultivo”) e Roman (“romance”).em que um jovem prova ser um cavaleiro.] Durante suas aventuras, ele chega a um castelo onde testemunha uma estranha procissão:

Um escudeiro entrou de uma câmara, segurando pelo meio uma lança branca … Todos os presentes viram a lança branca e a ponta branca, de onde uma gota de sangue vermelho escorria para a mão do escudeiro …

Então, dois outros escudeiros entraram, bem bonitos, trazendo nas mãos candelabros de ouro fino e trabalho niello, e em cada candelabro havia pelo menos dez velas. Uma donzela entrou com esses escudeiros, segurando entre as mãos um Graal. Ela era linda, graciosa, esplendidamente vestida, e quando ela entrou com o Graal nas mãos, havia uma luz tão brilhante que as velas perderam seu brilho, assim como as estrelas fazem quando a lua ou o sol nasce. Atrás dela veio uma donzela segurando uma bandeja de prata entalhada. O Graal que a precedeu era de ouro refinado; e estava incrustado com pedras preciosas de vários tipos.

O jovem está curioso com esta estranha procissão, mas, por causa dos seus modos, nada diz a respeito. Na manhã seguinte, ele acorda e encontra o castelo vazio e sai cavalgando. Só mais tarde, quando descreve o episódio para uma donzela que conhece, ele descobre que foi convidado do “rico Rei Pescador“.

“Ele ainda está com tanta dor que não consegue montar um cavalo”, diz a donzela, “mas quando deseja se divertir, ele se coloca em um barco e vai pescar; portanto ele é chamado de Rei Pescador”.  A donzela também diz ao jovem que se ele tivesse perguntado o significado da procissão do Graal, ele “teria curado o rei mutilado, de modo que ele teria recuperado o uso de seus membros e teria governado suas terras e grande bem teria venha daí! “

O Graal aqui parece ser um objeto familiar. Na verdade, a palavra “graal” é derivada do francês antigo gradale ou graal , e muitas vezes significa simplesmente um prato grande. Mais tarde, um eremita disse a Parsifal:

“O rico Pescador é filho do Rei que faz com que seja servido com o Graal. Mas não pense que ele tira dele um lúcio, uma lampreia ou um salmão. O santo homem sustenta e refresca a sua vida com uma única hóstia da missa. Uma coisa tão sagrada é o Graal, e ele mesmo é tão espiritual que não precisa mais nada para seu sustento”. 

Houve outras imagens do Graal também. No Parsifal de Wolfram von Eschenbach do século XIII , o Graal não é uma taça, mas uma pedra ‘caída’ do céu – o lapsit exillis . Essa obscura frase em latim evocou muitas explicações. Lapsit é uma palavra distorcida, sem sentido em latim, mas evocando associações de lápis , “pedra” e lapsus , “caído”. Exillis se assemelha a exilis , “magro” ou “pobre”, também exsilium , “exílio”, elixir e até mesmo ex illis, “daqueles.” O mais provável é que seja um erro – outro exemplo do latim bárbaro comum na Idade Média – ou uma espécie de palavra portmanteau joyciana, ‘deliberadamente enigmática’ e destinada a evocar um rico nexo de significados.

A própria imagem da pedra é antiga; ao descrever sua versão de um castelo do Graal, um antigo romancista grego conhecido como Pseudo-Calístenes diz:

“Uma pedra preciosa, que substituiu o fogo, iluminou todo o templo”.

Tudo isso nos deixa perguntando: o que é o Graal? Não parece ser um mero objeto, por mais sagrado que seja. Para o psiquiatra suíço C.G. Jung, o Graal era nada menos do que o principium individuationis (“princípio da individuação”) que em nós se esforça para se realizar [espiritualmente] e se tornar consciente. Para R.J. Stewart, um conhecido escritor sobre temas celtas, o Graal é preeminentemente “o mistério da regeneração”.

Para integrar essas diferentes perspectivas, pode ser útil lembrar que, na maioria das lendas, o Graal é o cálice que Cristo usou na Última Ceia, e que mais tarde foi usado para colher seu sangue na cruz. Portanto, é uma taça que conteve sangue. Isso, eu acho, fornece a chave para o ‘verdadeiro significado’ desse símbolo enigmático. Cada um de nós tem dentro de nós uma taça que contém sangue. É o coração. O Graal é o coração, iluminado e desperto para que possa servir de receptáculo para as energias divinas [o coração é o receptáculo daquilo que é divino no homem/mulher a ALMA].

Poucas pessoas, em nossa era ou mesmo em qualquer época, têm seus corações tão despertados.  Esse fato ajuda a explicar um dos temas centrais dos mitos do Graal: muitos são chamados, mas poucos são escolhidos. Também explicaria por que os poucos candidatos bem-sucedidos são aqueles de coração puro, pois o coração deve ser puro antes de poder ser [a ALMA] iluminado.

O fato de o Graal ser uma metáfora para o coração iluminado também lança luz sobre dois outros detalhes nas lendas. O Graal às vezes é visto como uma travessa; além disso, em algumas versões, a pergunta que o buscador deve fazer é: “A quem isso serve?” Uma vez que o coração é iluminado e desperto, o ser humano assim desperto e consciente se torna um veículo de serviço à humanidade. A questão então se torna: a quem ou o que isso serve? O fato de os heróis do Graal geralmente se esquecerem de fazer essa pergunta indica que ela não admite respostas fáceis ou prontas.

Embora poucos de nós seremos cavaleiros ou guerreiros como os heróis do Graal, nossas emoções, refinadas e purificadas pelo discernimento e integridade de propósito, podem formar um cálice no qual as energias divinas podem fluir. Como o próprio Graal, esse ideal pode parecer remoto, difícil, indescritível e inatingível.

No entanto, como sugerem as antigas lendas, há algo na própria busca [o aprendizado, que desenvolve sabedoria e discernimento] que pode servir como sua própria justificativa e recompensa e uma vez que o alcançamos, seremos questionados – ou nós mesmos nos questionamos – a Quem ou o Que estamos servindo?

Uma versão deste artigo apareceu na revista Gnosis # 51. Este artigo foi publicado na edição especial 2 de New Dawn 


“O indivíduo é deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956


One Response to A Busca pelo Graal

  1. Keanu Reeves

    Thoth, qual a sua opinião acerca do servo do KLAUS SCHAWB, Lázaro Barbosa?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.